sábado, 22 de abril de 2017

FORD GPW Old Stock

   Este magnífico Jeep da época da Segunda Guerra Mundial, pertence ao seleto grupo de unidades que nunca passaram por uma restauração, conhecidas como old stock, ou estoque antigo. Talvez algum pequeno ajuste aqui e ali, alguma peça que teve de ser trocada, mas permanece íntegro desde quando era zero km.
O Ford GPW 1945 das fotos é único no Brasil e graças  a Deus pude vê-lo pessoalmente mais de uma vez e ouvir o dono atual. Foi comprado pela internet acreditem, apenas via fotos e vídeos, e importado direto do estado da Califórnia, nos Estados Unidos. Não lembro mais a cidade. Lembro que o dono relatou que teve um certo temor no negócio, obviamente, mas quando o Jeep chegou ele não arrependeu-se. 
Relatou também que esta unidade foi adquirida zero km por um civil, direto do Departamento de Defesa. Esta é uma das ultimas séries do GPW produzidas, no período final da Segunda Guerra Mundial, e obviamente trata-se de um excedente de guerra, que nunca foi utilizado em combate. O antigo e primeiro dono adquiriu o GPW pois possuía no seu quintal ainda uma motocicleta militar Harley-Davidson WLA e outra viatura militar Dodge, e queria completar sua coleção. As viaturas eram uma espécie de monumento ou enfeite, pois ficavam ao redor de um quiosque construído especialmente para integrar a paisagem do jardim juntamente com os veículos! O dono morreu e seu filho colocou-o à venda.
   Talvez não consigam notar, mas na chapa que apoia o encosto dos bancos existe um F manuscrito na parte central de cada um deles. Essa era uma das formas da Ford, após setembro de 1943 distinguir seus modelos dos montados pela Willys, já que a partir daí as duas marcas utilizavam o "corpo composto" (carroceria) produzida pela ACM - American Central Manufacturing Co. de Connersville, Estado de Indiana que unia características Willys e Ford, com pequenas diferenças em peças agregadas e detalhes como parafusos por exemplo, já que o Exército exigia que as peças fossem totalmente intercambiáveis. De setembro até dezembro de 1943 utilizava-se a carroceria ACM Tipo I, após, utilizou-se a ACM Tipo II que diferenciava-se basicamente por alguns reforços estruturais.
O formato das plaquetas de identificação fixadas na tampa do porta luvas e a de pressão dos pneus confirmam que trata-se de GPW últimas séries (1945).
Enquanto a Willys utilizava sua planta em Toledo, Ohio, para montar os seus MB, a Ford utilizava 6 plantas espalhadas pelos Estados Unidos: Dearborn, Chester, Dallas, Louisville, Richmond e Edgewater.




 Acima, detalhe da Grease Gun (Pistola de Graxa) no seu suporte.
   Nota-se aqui o silencioso do escapamento diferente dos modelos mais antigos e saída do escape na traseira. O diferencial era ainda o Dana 25 na frente e o Dana 23-2 no eixo traseiro. Reparem na chapa de metal soldada na travessa do chassi entre ele e o assoalho. Aqui é possivel ver apenas parte dela. Trata-se do suporte para metralhadora, que possuía 4 furos. Esse é um dos detalhes de distuingue a carroceria dos Jeep da Segunda Guerra Mundial, já que todos eles possuíam, enquanto os primeiros jeep civis, muito parecidos com os militares, não ostentavam.

   Nos Ford o número de série era gravado na longarina esquerda, na parte superior dianteira e iniciava com as letras GPW e o correspondente código. Este possuí número de série entre 270309 a 274377, denunciando (DOD - Date of Delivery) que foi produzido em junho de 1945, sob o Contrato F-5 que iniciou em Janeiro daquele ano.
Em junho de 1945 foram produzidos 4.068 Ford GPW.
A Ford produziu seus Jeep sob 5 contratos com o Governo Americano:
F1 - Fevereiro de 1942 a Abril de 1942
F2 - Abril a Novembro de 1942
F3 - Novembro de 1942 a Março de 1943
F4 - Março de 1943 a Janeiro de 1944
F4 Ext 1 - Janeiro de 1944 a Outubro de 1944
F4 Ext II - Outubro de 1944 a Fevereiro de 1945
F5 - Fevereiro de 1945 a Julho de 1945
O último Ford GPW produzido consta como 30 de julho de 1945.
Foram produzidos 277.896 Jeep Ford GPW.
 Baixíssima quilometragem, ou milhagem, apesar do aparente desgaste, mas é a pátina do tempo, presente apenas nas unidades intactas.

   Acima, reparem na travessa da parede corta-fogo, que é um suporte reforçado que une esta parte da carroceria ao chassi. Nos Ford ela possuía 3 furos, cantos arredondados. Nos Willys, 05 furos circulares e cantos retos, e a peça forma um triângulo. Portanto mais uma pista, trata-se mesmo de um Ford, apesar do corpo composto já citado, detalhes como este ajudam a distinguí-lo de um Willys.
Além é claro da clássica e perceptível travessa sob a grade do radiador, que é em perfil U para baixo nos GPW e tubular nos Willys.
 Detalhe do carburador Carter W-O. Nos modelos civis pós-guerra era o Carter YF.
  Na foto acima podemos ver o reforço interno da caixa de ferramentas sobre o paralamas esquerdo traseiro. Característica também da carroceria  ACM Tipo II. Lembrando que nos GPW a tampa apresenta-se como uma peça com relevo e nos MB a tampa é lisa.

 Vista do motor Go Devil e na parte inferior do capô,o suporte para a Carta de Lubrificação.
Abaixo, detalhe do parachoque (bumper) dianteiro com reforço de madeira.


 Motor de partida ainda com selo de fábrica!

  Mais um detalhe característicos dos GPW , que iniciou a partir do contrato F3 (a partir de Nov 1942) é o parachoque dianteiro com 2 furos (holes) bem na direção das longarinas, ao contrário dos MB e anteriores GPW que possuem apenas o clássico "furo"ao centro.
No parachoque traseiro que suporta os em forma de meia-lua também nota-se os furos adicionais nas extremidades. Sob o contrato F3 também iniciaram a colocação de moldura oval nos refletores.
Crédito das fotos: Maurício Kober e Alisson Paese

Nenhum comentário:

Postar um comentário

 
Site Meter