domingo, 26 de fevereiro de 2017

COR MOTORES WILLYS NACIONAIS

Para o blog jeepguerreiro 2017 inicia agora. Mais um ano falando de veículos Willys e afins. Apesar das dificuldades vamos fazer o possível para continuar compartilhando informações e opiniões, pois o que buscamos é a qualidade e não a quantidade.
Dito isto, o primeiro post do ano aborda um assunto que em processos de restauração é primordial: a aparência do compartimento do motor. Já ouviram a antiga frase "Por fora bela viola, por dentro pão bolorento?" Aplica-se nesse caso. De nada adianta um veículo primorosamente restaurado se ao abrirmos o capô lá está um propulsor e seus componentes sujos, com pintura gasta ou de várias tonalidades, mal pintado... ou seja: nada apresentável. Claro, quando trata-se de motor nunca restaurado, a exceção aparece, mas mesmo assim ele conserva o padrão e uma certa "limpeza estética". Ainda mais em Jeep/Rural/F75 que o povo está acostumado a ver o motor sempre sujo, já que estes veículos são muito utilizados ainda hoje no trabalho rural e no uso do esporte fora-de-estrada (off-road), de repente abre-se o capô e lá está um propulsor tinindo, nem parece de Jeep!
Pois é , mas qual será a cor correta para o motor? 
No Brasil, o primeiro motor produzido por aqui para o nosso modelo nacionalizado 5224 Jeep Universal (CJ-5) e Rural Jeep, e que foi inclusive o pioneiro a gasolina fundido no Brasil, foi o Willys BF-161 6 cilindros. Em 1963, ele foi "envenenado" pela fábrica para equipar o novo Aero-Willys e denominado 2.600, possuía dupla carburação como característica principal. Em 1967 surge o motor Willys 3.000 cc para equipar o Willys Itamaraty. O 2.600cc e o 3.000cc também equiparam a Rural e as Pick-up Jeep/F-75/F-85 como opcional. Em 1975 veio o Ford "Georgia " OHC 2.300 cc. Ainda teve o Perkins 192 4 cil Diesel, que equipou algumas unidades da Pick-up Jeep nos anos 60. Não vou adentrar aqui em maiores detalhes das especificações dos motores, mas apenas listar os utilizados pelo modelos nacionais. Mas vou acrescentar na listagem o famoso Hurricane 4 cilindros F134 que equipou os CJ-3B e CJ-5 americanos importados e os últimos CJ-5 nacionalizados com carroceria americana (início de 1958).
HURRICANE
O motor Hurricane, ao contrário do que muitos pensam, não era vermelho. Quando me refiro a isso estou tratando da cor predominante (bloco por exemplo). Tinha o bloco e alguns agregados pintados de 3 cores diferentes originalmente: PRETO, AMARELO e AZUL, conforme a taxa de compressão. Os pintados em PRETO semi-brilho tinham a compressão 7,4:1 e eram descritos como baixa compressão (nos Estados Unidos) e alta compressão (fora dos Estados unidos. Vieram para o Brasil nas Pick-ups Jeep americanas anteriores a 1960, mas a probabilidade de ter equipado também alguns CJ-5 montados no Brasil é grande. Em AMARELO semi-brilho tinham a compressão 7,8:1 e eram denominados alta compressão (nos Estados Unidos). Não vieram para cá.
Finalmente, em AZUL semi-brilho os de taxa de compressão 6,9:1, padrão destes motores.
O modelo militar  M38A1 (primeiro a receber o Hurricane), no entanto,  tinha o bloco pintado de Olive Drab (Verde-Oliva).



 Acima e abaixo, motor nunca restaurado de um CJ-5 americano 1962.



 Abaixo, Hurricane antes da restauração. Essa era a cor padrão (deveria ser) da maioria dos Hurricane que equiparam os Jeep montados no Brasil.
O que acontece é que a cor de fundo ( base) era o vermelho, o que com o tempo acaba sendo a única cor que sobrevive e leva a crer tratar-se da cor correta. Porém, não é descartado que unidades montadas aqui simplesmente não adotaram o padrão do Hurricane (preto ou azul, conforme a taxa de compressão dos que vieram importados). Como o FHead Hurricane não era um motor nacional, o critério obviamente é pautar-se pelo adotado no país de origem.
MOTOR BF-161 6 cilindros
Este é o motor mais utilizado nos Willys brasileiros, orgulho da indústria automobilística nacional na época. Surgiu em meados de 1958 para equipar o Jeep Universal e a Rural Jeep. As fotos abaixo dispensam maiores comentários quanto a cor correta para este propulsor e agregados. CUIDADO com as propagandas antigas, pois devido a inexistência de recursos gráficos e tecnologia, às vezes elas não correspondem na totalidade com o que era originalmente a realidade. Veja o exemplo abaixo:
Viram só? O propulsor simplesmente foi totalmente pintado de vermelho ( até o filtro de ar....). Isso foi usado para destacar o conjunto, mas claro não era o padrão de produção.
Agora sim, imagens do padrão:

MOTOR WILLYS 2.600
Este equipou os modelos Aero-Willys de 1963 a 1971 e opcionalmente a Rural a partir de 1967.

MOTOR WILLYS 3.000
O motor mais forte produzido pela Willys brasileira, tinha carburador de corpo duplo (e não dupla carburação) equipou os veículos Aero-Willys Itamaraty de 1967 a 1971 e opcionalmente a Pick-up Jeep/F-75/F-85 e Rural, a partir de 1967 a 1975. A cor para este motor era o DOURADO ou OURO. O Azul era utilizado na linha Maverick.


MOTOR FORD "GEORGIA" OHC 2.300 4 cilindros
Equipou os Jeep , Rural e F-75/85 de 1975 a 1983.




PERKINS 192 4 Cilindros DIESEL




Nenhum comentário:

Postar um comentário

 
Site Meter