segunda-feira, 7 de dezembro de 2009

A Saga do Jeep no Brasil

Em 1955 o Jeep modelo Universal CJ-3B começa a ser montado no Brasil, equipado com o motor Hurricane F-134 de 4 cilindros e 2.150 cc, 73 Hp a 4.000 rpm e torque de 15,8 kgmf a 2.000 rpm. O câmbio era de 3 marchas a frente com a 1ª seca (não sincronizada), tração nas 4 rodas e reduzida. Possuía volante de 3 raios, freio de mão na caixa de reduzida, diferencial dianteiro Dana 44, relação do diferencial 5,38:1 e o número do motor é o que constava no documento como número do chassi.
Em 1957 inicia-se a fabricação do novo modelo CJ-5 Universal, derivado do americano, o qual foi baseado no modelo militar M38A1. O índice de nacionalização era de 65%.


No ano seguinte, em março, era inaugurada em Taubaté, SP, a primeira fábrica de motores do Brasil, com o lançamento do primeiro motor a gasolina totalmente fundido em nosso país, o famoso motor Willys BF-161 de 6 cilindros em F, 90 Hp a 4.000 rpm, torque de 18,67 kgmf a 2.000 rpm e 2.638 cc. Nesse ano (1958) o índice de nacionalização já era de 80%.
Em 1959 o diferencial dianteiro passa a ser também Dana 44.


Em 1960 o paralama traseiro perde o contorno arredondado, e que passa a ser em ângulos retos, diferindo-se assim ainda mais do modelo CJ-5 norte-americano. O assoalho sobre a transmissão passa a ser ligeiramente maior e a ponta de eixo traseira passa a ter 10 estrias (mais grossa) chavetada. As letras JEEP nas laterais adotam nova grafia, mais arredondada.
Em 1961 o freio de estacionamento, que até então era localizado na caixa de reduzida, é transferido para os tambores de freio traseiros. A canaleta que prende a capota no quadro de parabrisa é ornamentada. com presilhas.
Após ser apresentado ao público no 1º Salão Brasileiro do Automóvel em fins de 1960, no Ibirapuera, em São Paulo, o novo modelo CJ-6 começa a ser fabricado em 1961, como modelo 1962. Esta nova versão passa a chamar-se Jeep Universal 101, e ficou conhecido como "Bernardão" ou "Jipão". Assim como a Rural 4xa, o CJ-6 Universal 101 possuía calotas cromadas e rodas e peneus aro 15, diferentemente do Jeep CJ-5 normal, que utilizava aro 16. Foi fabricado em quantidades bem menores que o CJ-5 e sua produção estendeu-se até os anos 70. Existiam 2 versões do CJ-6 Universal 101: uma com 2 portas, que transportava até 8 passageiros com 2 bancos opcionais nas laterais traseiras e uma versão 4 portas que transportava 6 pessoas em 2 amplos bancos.

O CJ-6 Universal 101 nada mais é que um CJ-5 alongado em 20 polegadas (508 mm), o que deixava o entre-eixos em 101 polegadas. O chassi é o mesmo do Jeep, só que alongado, portanto, não é o mesmo que o da Rural, que tem distância entre-eixos de 104 polegadas. Como opcional, o CJ-6 podia ter tração apenas nas rodas traseiras (4x2). O código do modelo era 6224 (2 portas) e 6225 (4 portas).
























Em 1964 a cor das rodas ainda é igual ao da carroceria em todos os modelos CJ-5 e CJ-6 , mas a parte elétrica passa a ser de 12 volts no lugar de 6 volts, mas ainda utiliza o dínamo.
Em 1965 os aros de roda são pintados de prata. O motor do limpador a vácuo do parabrisa é trocado por um de plástico da Marca Novaco, substituindo os de metal da marca Trico, importado. A caixa de marchas T90 (com a primeira seca) é trocada por uma de 3 velocidades totalmente sincronizadas, permanecendo a mesma até outubro de 1975. A altura do cubo da roda é alterada, sofrendo diminuição e com a panela de freio revestida por fora até 1968, para facilitar a manutenção (anteriormente era presa do lado interno do semi-eixo).

2 comentários:

  1. Tenho um Jeep Universal 1957. São originais desse modelo as rodas aro 15' e pneus borrachudos tipo da rural?

    ResponderExcluir
  2. Olá. Por ser do ano de 1957, é um CJ-5, portanto originalmente as rodas eram aro 16 com pneus tipo "lameiros" 6,00 x 16 4 lonas.

    ResponderExcluir

 
Site Meter